Harmonias vocais: algumas dicas e algumas teorias

Embora haja muito a aprender quando falamos de canto solo, também há muito a aprender quando se começa a acrescentar mais vozes para gerar harmonias. Com apenas uma voz extra, você já pode cantar harmonias incríveis, então imagine o que acontece quando você começa a acrescentar ainda mais.

Harmonias vocais: a teoria

Para começar, vamos mergulhar na teoria da construção de harmonias vocais. Portanto, se você não se importa o suficiente para saber o que torna as harmonias viáveis, passe para os pontos práticos mais tarde.

Polifonia e harmonia

Polifonia é um termo que é comumente mal usado para se referir a harmonias. Por exemplo, um sintetizador polifônico é capaz de expressar numerosas notas de uma só vez, enquanto um sintetizador monofônico só pode expressar uma única nota de cada vez. No entanto, o significado estrito de polifônico é na verdade muito menos extenso. Oficialmente, a canção polifônica é composta por uma seqüência de melodias que são tocadas ou cantadas em paralelo e onde cada melodia é tão importante para a peça quanto a outra. Assim, estritamente falando, uma música composta de uma linha vocal acompanhada de acordes, como em muitas canções, não é realmente polifônica, mesmo que muitas notas diferentes sejam tocadas em paralelo. Na verdade, este tipo de canção é chamada monódica, que tem dois significados: monofônica (uma só nota), ou pode ser usada para explicar uma canção acompanhada de acordes.

Uma forma bastante bem sucedida de canção polifônica é o cânone ou a fuga. Uma pessoa ou parte do coro começaria a cantar a melodia, depois a próxima pessoa ou parte do coro entraria na segunda linha, porém recomeçando do início da música. Em outras palavras, o cânone. A fuga, entretanto, é uma forma mais complicada de melodia polifônica da qual compositores eram enormes fãs, e nesta forma de polifonia um papel fundamental é desempenhado pelo que é conhecido como contraponto. Contraponto é o que reúne 2 ou mais linhas melódicas diferentes para formar uma peça polifônica.

No entanto, vamos nos ater às harmonias e como uma segunda e, ocasionalmente, uma terceira voz pode ser acrescentada para construí-las. Não há apenas uma maneira de construir uma harmonia; de fato, há algumas, e aqui tentarei explicar cada uma delas antes de proceder à sua aplicação.